Morte de Carla instala pânico e mulheres falam em se armar contra “maníacos”

Áudios com informações falsas são espalhados em grupos de Whatsapp e aumentam a tensão.

Uma semana atrás, Campo Grande acordou com a notícia da localização do corpo de Carla Santana Magalhães, jovem de 25 anos que havia sido sequestrada na terça-feira (30), e foi morta de forma cruel, com tortura e violência sexual. Instalou-se entre as mulheres clima de pânico, provocado pela brutalidade do assassinato. E a tensão aumenta a cada dia, pelo fato de ninguém ter sido preso e, também, pelas fake news que invadem as redes sociais, indicando a existência de maníacos sexuais atuando na cidade.

Embora as autoridades já tenham vindo a público negar essa hipótese, a roda viva da internet continua produzindo medo e tentativas de reação. Das mais jovens às mais velhas, há por todo o lado a conversa sobre mudanças de rotina, para se proteger, e até a troca de dicas de segurança, em meio à distribuição de áudios com relatos de ataques e teses sobre a morte de Carla povoando o Facebook, o WhatsApp e o Instagram.

Entre as opções cogitadas está a compra de armas brancas ou não letais, como armas de choque e spray de pimenta. As últimas, na verdade, são de uso vetado.

O Campo Grande News encontrou esses produtos à venda no Centro da cidade, em camelôs. Há, por exemplo, uma lanterna, que na verdade é taser, os equipamentos capazes de produzir choque elétrico, usados para imobilizar bandidos. Custa R$ 75.

Outra alternativa oferecida, e falada entre mulheres com medo de sair na rua como opção para “reagir” a ataques, é o velho canivete, ao valor de R$ 55.

“São mais as mulheres que procuram”, atesta o vendedor. De acordo com ele, por dia saem 8 desses itens, entre lanternas e canivetes.

É possível encontrar os produtos até no Centro Popular Comercial Marcelo Barbosa, o popular “Camelodrómo”. A reportagem achou a “lanterna de choque” por R$ 50 e uma taser de tamanho pequeno, parecida a um controle remoto, por R$ 40. Ninguém dá entrevista, como é de se esperar. Durante a busca, não encontramos spray de pimenta.

Ainda neste texto, você vai ver que a Polícia Civil diz que quem compra esse tipo de equipamento está incorrendo em contravenção penal. Para se prevenir da violência, a orientação da Deam (Delegacia de Atendimento à Mulher) é focada nos cuidados com a rotina e na denúncia à delegacia sempre que for vítima ou mesmo presenciar um crime.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *