Dom Aquino.

Comerciantes gritam por socorro após Dom Aquino virar casa de usuários de droga

‘Trabalho aqui há 30 anos e meu medo é ter que fechar porque os clientes têm medo de descer aqui agora’, diz um comerciante

Revoltado com a situação atual da Rua Dom Aquino, próximo do cruzamento com a Avenida Ernesto Geisel, um comerciante, que trabalha há mais de 30 anos na região e terá o nome preservado, diz que não aguenta mais ver o olhar assustado dos clientes, já que a região está lotada de usuários de droga.

Uma base móvel da Polícia Militar foi instalada na Rua Barão, próximo da Antiga Rodoviária. “O certo era proteger toda a região, porque agora esses usuários estão aqui, na frente dos nossos comércios, tirando o pouco de movimento que ainda conseguimos fazer esse local ter. É um absurdo isso, os clientes se assustam, os usuários não respeitam, gritam, usam droga, brigam, estou vendo um sonho que construí há 30, para sustentar a minha família, afundando”, diz o comerciante.

Ele destaca, ainda, que percebeu uma movimentação diferente fora do estabelecimento e, quando saiu para olhar, tinha um traficante vendendo ‘paradinhas’. “Ele, com a droga na mão, vendendo de R$ 5, de R$ 10, tudo isso aqui na frente. É bem complicado isso, o poder público tem que fazer alguma coisa, para não deixar o sustento das nossas famílias morrerem. Foram poucos que conseguiram continuar aqui, mas, agora, parece que esse pouco que ficou está perdendo”.

Ao falar da gestão municipal, o comerciante afirma que conta com a ajuda do prefeito Marquinhos Trad (PSD) para continuar trabalhando. “Eu conto com a ajuda da prefeitura para fazer algo aqui, antes que nenhum cliente mais queira procurar nossos serviços, estamos realmente pedindo socorro”.

Prefeitura

A prefeitura de Campo Grande afirma que intensificou as abordagens sociais na região:

Os serviços socioassistenciais da Secretaria Municipal de Assistência Social – SAS tem se intensificado por meio das abordagens sociais com duas equipes (diurno e noturno) volantes atendendo especificamente na área central, ininterruptamente.

É importante esclarecer que a Constituição Federal de 1988, em seu Art. 5º, apresenta os direitos individuais e coletivos, sendo:

Art. 5º – Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
XV – é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens. (BRASIL, CONSTITUIÇÃO FEDERAL, 1988).

Portanto, as equipes de abordagem da Política de Assistência Social fazem a oferta dos serviços ao sujeito de direito em situação de rua, que tem por opção aceitar ou não ser atendido pelo Serviço Especializado para Pessoas em Situação de Rua e o Serviço Especializado em Abordagem Social a ele proposto no município de Campo Grande.

Assim, a Assistência Social não trabalha no viés de “retirada de pessoas das ruas”, mas sim na oferta de serviços socioassistenciais.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *