Ademir Santana (PSDB) deixa a Câmara e entra na suplência, mesmo estando entre os mais votados

Nem sempre o mais votado leva a eleição, reflexo do quociente eleitoral, usado na disputa por cargos proporcionais (vereadores, deputados estaduais e federais). Em nossa região um vereador foi afetado diretamente pela regra e, agora, está na suplência.

O quociente eleitoral é o número de votos que partido precisa ter para conquistar vaga de vereador ou deputado. Este número depende da soma dos votos conquistados pela legenda e de todos os candidatos.

Um exemplo: se o quociente de cidade for 10 mil e o partido obteve 30 mil na soma total, essa legenda elegerá três vereadores. Com isso, “puxa” candidato com menor voto, derrubando outros que tiveram maior votação, porém, o partido não alcançou o quociente.

Um dos afetados pela regra é o vereador Ademir Santana (PSDB), que obteve 4.118 votos, mas ficou de fora da composição na Câmara Municipal de Vereadores. Ficando para Suplência. No pleito anterior, foram 3.942 votos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *